www.aeel.org.br home | fale conosco
 

Estatuto
Ficha de Inscrição
Informes AEEL
Informes Unergia
Acordos
Normas Eletrobras ACT
Você!
Saúde e Vida
Eventos
Galeria de Imagens
Jogos
Notícias
Processos Judiciais
Sistema Eletrobrás
Eletros
Link's Úteis
Balanço
Fale com a Aeel
Como Votar?
Eleições 2017


 

ÁREA RESTRITA

Para ter acesso ao sistema preencha os campos baixo:





 

 

Esqueci a senha

 


  Notícias
  A presidente do Fundo Monetária Internacional (FMI), Christine Lagarde, transmitiu “felicitações” à presidente Dilma Rousseff pela reunião dos lideres do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), efetuada em Fortaleza, nos últimos três dias, e a pela criação do Arranjo Contingente de Reservas, que complementa a rede de proteção financeira mundial.

Em carta à presidente brasileira, Christine Lagarde disse que a equipe do FMI terá “grande satisfação de trabalhar” com o Brics, “com vistas a reforçar a cooperação entre todas as partes integrantes da rede internacional de segurança destinada a preservar a estabilidade financeira no mundo”.

Lagarde lembrou que a instituição mantém relacionamento com todas as nações do Brics. “Esperamos fortalecer ainda mais a nossa cooperação futura. Tenciono também compartilhar publicamente a minha manifestação de apoio”, acrescentou.

Na última terça-feira, Dilma anunciou, na reunião do Brics, em Fortaleza, a criação do Banco de Desenvolvimento do Brics, que terá sede em Xangai, na China. A primeira presidência do órgão será de um representante da Índia.

O Arranjo Contingente de Reservas dos Brics terá US$100 bilhões. Cada país vai contribuir com o fundo: China (US$41 bilhões); Brasil, Índia e Rússia (US$18 bilhões cada um); e África do Sul (US$ 5 bilhões). A eventual liberação dos recursos se dará por meio de operações de swap (troca), pelas quais o país solicitante receberá dólares e em contrapartida fornecerá sua moeda aos países contribuintes, em montante e por períodos determinados, segundo o Banco Central brasileiro.


Brasil e China firmam acordos nas áreas de energia e aviação civil

Dilma e o presidente da China, Xi Jinping, assinaram hoje cerca de 30 atos em áreas como aviação civil, energia, sistema financeiro, infra-estrutura, educação, mineração, tecnologia, resseguros, construção e agricultura. Um dos acordos prevê a compra de 60 aeronaves da Embraer pela China.

Ambos assinaram ainda memorando de entendimento para cooperação e intercâmbio de dados de observação da terra e acordo para promoção de investimento de cooperação industrial e de tecnologia da informação. Para aprimorar o Sistema de Proteção da Amazônia, os dois países assinaram protocolo na área de tecnologia da informação e sensoriamento remoto.

Na área consular, Brasil e China firmaram acordo para facilitar a emissão de visto de negócios para cidadãos dos dois países. Pelo acordo, o visto terá três anos de validade e permite a permanência no país por até 180 dias.

Em educação, brasileiros e chineses firmaram entendimento para incentivar a difusão do mandarim no Brasil em universidades federais e cursos online. Também foi firmado acordo para oferta de estágio na China para estudantes do Programa Ciência sem Fronteiras.

No setor energético, foi assinado acordo de cooperação estratégica entre Eletrobras, Furnas e as empresas chinesas China Three Gorges Corporation e CWEI Participações para incremento de cooperação na construção da Hidrelétrica do Rio Tapajós.

De acordo com o Palácio do Planalto, Dilma e Jinping assinaram acordo para promoção de investimento e cooperação industrial. O instrumento visa à interação de empresas e instituições financeiras dos dois países nas áreas de energia, mineração, infra-estrutura, indústria e agricultura. Prevê também uma reunião anual com representantes do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio e a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma. Em infra-estrutura, também foi assinado memorando de entendimento sobre cooperação para elaboração de projetos ferroviários.

Depois de encontro no Palácio do Planalto, Dilma e Jinping encontram-se com empresários dos dois países, no Palácio Itamaraty, no encerramento da reunião do Conselho Empresarial Brasil-China.

À tarde, também no Itamaraty, ocorre a reunião de cúpula Brasil-China-Quarteto da Celac-Países da América do Sul-México. O quarteto da Comunidade dos Estados Latinos-Americanos e Caribenhos (Celac) é formado por Chile, Antígua Barbuda, Cuba e Costa Rica.

À noite, os presidentes participam de um evento que comemora os 40 anos de relações diplomáticas entre Brasil e China no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

Ontem, Dilma e Jinping participaram com 14 chefes de Estado do segundo dia de reuniões da 6ª Cúpula do Brics, que teve a participação dos presidentes da América do Sul.
  Fonte: http://www.monitormercantil.com.br/
  Data de Publicação: 18/07/2014
 
 

Associação dos Empregados da Eletrobras - Telefone /fax: (21) 3553-3501 / (21) 3553-3502
Copyright 2018 - Todos os direitos reservados a AEEL

Desenvolvido por AMANDY SOFTWARE