www.aeel.org.br home | fale conosco
 

Estatuto
Ficha de Inscrição
Informes AEEL
Informes Unergia
Acordos
Normas Eletrobras ACT
Você!
Saúde e Vida
Eventos
Galeria de Imagens
Jogos
Notícias
Processos Judiciais
Sistema Eletrobrás
Eletros
Link's Úteis
Balanço
Fale com a Aeel
Como Votar?
Eleições 2017


 

ÁREA RESTRITA

Para ter acesso ao sistema preencha os campos baixo:





 

 

Esqueci a senha

 


  Notícias
  O governador Marconi Perillo pediu à presidenta Dilma Roussef a liberação de R$ 1,9 bilhão para a Companhia Energética de Goiás (Celg). Os recursos, repassados pela Eletrobras, serão usados na reestruturação da empresa.

"Ela deu o comando para esse aporte seja liberado, mas isso certamente depende das nossas negociações, do governo e da Eletrobras," disse o vice-presidente da companhia, Elie Chidiac após a reunião com a presidenta.

Com sérios problemas financeiros, a empresa, mantida pelo governo de Goiás, passa por um processo de federalização desde 2012. De acordo com Chidiac, este ano, o governo estadual obteve empréstimo de R$ 3,5 bilhões do Tesouro Nacional para reestruturar a empresa, sanando dívidas e viabilizando a liberação do reajuste de tarifas.

Chidiac disse que, com a edição da Medida Provisória (MP) 579/2012, que reduziu, no ano passado, as tarifas de energia e prorrogou as concessões para as empresas que aplicassem a redução, o processo foi prejudicado. A maior parte das concessões do setor, entre elas a da Celg, vence no ano que vem. "Goiás está federalizando sua empresa, e estamos chegando a um consenso sobre o preço dela. Além disso, o governo estadual injetou R$ 3,5 bilhões para reestruturar a empresa e agora está precisando de R$ 1,9 bilhão do Tesouro para continuar o processo," acrescentou.

O acordo alinhavado com o Ministério de Minas e Energia prevê que 51% das ações da Celg passem para a Eletrobras e 49% permaneçam com o estado. Desde 2012, a Eletrobras vem comandando a Celg. A federalização deveria ter sido concluída no ano passado, mas divergências sobre o valor da companhia atrasaram o processo.

Um laudo contratado pelo governo estadual e feito pela Universidade de Goiás avaliou a companhia em R$ 6,5 bilhões. Outro, contratado pela Eletrobras, estimou o valor em R$ 400 milhões. A divergência reside no fato de que a empresa entende que têm de ser contabilizados os possíveis lucros com a prorrogação da concessão.

Chidiac informou que amanhã (24) haverá uma reunião na sede da Eletrobras, no Rio de Janeiro, para "aparar as arestas". O assunto será tratado entre equipes da Celg, do governo estadual e da Eletrobras, que vão buscar "uma convergência" em torno do preço da empresa. "Assim, certamente, o Tesouro liberará o aporte", disse o presidente da Celg.

Os ministérios públicos Estadual e Federal recomendaram que o fechamento da operação levasse em conta a eventual prorrogação da concessão.

Também participaram da reunião com a presidenta Dilma Rousseff o ministro de Minas e Energia, Edson Lobão, e o secretário executivo da pasta, Márcio Zimmermann.
  Fonte: http://www.infoenergia.com.br/
  Data de Publicação: 28/07/2014
 
 

Associação dos Empregados da Eletrobras - Telefone /fax: (21) 3553-3501 / (21) 3553-3502
Copyright 2018 - Todos os direitos reservados a AEEL

Desenvolvido por AMANDY SOFTWARE